FALE CONOSCO: (67) 3409 1234

Copasul - Cooperativa Agrícola Sul MatoGrossense
Download NFe/XML Webmail

640x480_91fe7f44b822ffab3b1909eb191dd5b9

Pesquisador alerta sojicultor sobre buva e capim amargoso nas lavouras

25, Set de 2018
Voltar

Fonte: Campo Grande News

   Plantas daninhas podem prejudicar a produção de soja se o produtor rural não tomar os cuidados necessários o quanto antes. O plantio daquela que promete ser a maior safra de todos os tempos em Mato Grosso do Sul está liberado, mas é preciso ter atenção para a buva e o capim amargoso.

    José Fernando Grigolli, pesquisador da área de fitossanidade da Fundação MS, afirma que a buva e o capim amargoso são os invasores mais comuns em MS, extremamente agressivos e de difícil controle. Com manejo inadequado, disputam espaço com a soja, o que pode gerar perda significativa de produtividade.

  Segundo José Fernando Grigolli, neste ano as plantas daninhas podem surgir junto com o plantio da soja, diferentemente do ano passado, quando algumas propriedades rurais já apresentavam buva instalada antes da semeadura.

  Por conta da seca e do inverno muito seco, as plantas estão começando a surgir agora. “Já o capim amargoso está disseminado em praticamente todas as áreas do estado. Como é uma planta que forma touceira, e passa de um ano para o outro, a tendência é que elas continuem nesta safra”, afirma o pesquisador.

  Grigolli afirma que para evitar prejuízo, o produtor precisa ficar atento antes de começar o plantio e aplicar herbicidas o quanto antes. “A sugestão é que o uso dos produtos químicos seja feito quando a buva estiver com altura de 10 a 15 centímetros, e no caso do capim amargoso, com 20 centímetros. Dessa forma, os herbicidas tendem a apresentar eficácia mais elevada, o que reduz o problema de competição com a soja”, orienta o pesquisador.

   “Manejar essas plantas daninhas em período de pós-emergência da soja é muito mais difícil, pois não há muitas opções de herbicidas que sejam seletivos a cultura e isso pode causar efeito negativo”, alerta. Segundo ele, a principal recomendação para o agricultor é semear “no limpo”, fazendo todas as ações possíveis, seja por herbicidas ou métodos culturais, como roçada de plantas daninhas antes de semear a soja. “Plantas como buva e amargoso, são controladas na pré-semeadura da soja, e não em pós-emergência”, explica o pesquisador.

Plantio – Com meta de superar a produção de 10 milhões de toneladas, Mato Grosso do Sul abriu segunda-feira (17) o plantio de soja da safra 2018/2019.

  Na safra colhida em 2018, a produtividade da soja foi recorde, atingindo a média de 3.593 kg/ha, aumento de 5,7% em relação ao ano anterior. A produção foi de 9,6 milhões de toneladas, aumento de 11,9% em relação aos 8,5 milhões da safra anterior.

  A área disponível para o plantio da oleaginosa subiu 4% nas duas últimas temporadas, saindo de 2,8 milhões para 3 milhões de hectares. A produtividade prevista para esta safra é de 59 sacas por hectare.

  Em várias regiões produtoras da Grande Dourados e da fronteira, o plantio teve de ser suspenso nesta semana por causa das chuvas. Em Dourados, foram 45 milímetros de precipitação nesta quinta-feira (20).